Pular para o conteúdo

Vidigal retoma projeto Costurarte que promoverá cursos de qualificação para mulheres na Serra

  • por

O relançamento do projeto aconteceu no Pró Cidadão, em Portal de Jacaraípe. Foto: Edson Reis/Secom-PMS

O projeto Costurarte foi retomado na Serra e promete ser uma ferramenta poderosa para o empreendedorismo feminino na cidade. A Prefeitura fez o relançamento do programa que oferecerá cursos de qualificação na área de artesanato e corte e costura na quarta-feira (16) .

Lançado no primeiro governo do prefeito Sergio Vidigal, em 1997, e capitaneado pela então secretária de Promoção Social, Sueli Vidigal, o Costurarte tem como objetivo capacitar e dar cursos de qualificação em áreas como Corte e Costura, Customização e Bordados, Vagonit e Decoupagem.

Milhares de pessoas foram atendidas na primeira versão do programa e a expectativa é seguir crescendo. O programa vai funcionar no Pró-Cidadão, em Portal de Jacaraípe, e deve começar já na próxima semana.

Nesta nova edição será implantado um Núcleo de Costura Afetiva. O curso tem o objetivo de atender 40 pessoas, mas terá outros braços ao longo do desenvolvimento e irá apoiar a inclusão dos Empreendimentos Femininos já existentes, além de fomentar novas criações. O Costurarte tem parceria com o Semearte.

Para o prefeito Sergio Vidigal, valorizar iniciativas de sucesso é fazer o melhor para a população.

“Nosso objetivo é dar mais um salto de avanço na Serra. A melhor obra que podemos fazer é o investimento no cidadão. Assim se muda vidas. Hoje relançamos um grande programa social. A Serra é pioneira na Assistência Social e seguiremos contribuindo para ajudar a população na ascensão social”, declarou o prefeito.

Sueli Vidigal, ex-deputada federal, idealizadora e madrinha do projeto, acredita no potencial de transformar vidas com o programa.

“Hoje é um dia muito especial. Os desafios da vida nos movem e foi assim que esse projeto aconteceu. O Costurarte nasceu da interação com as pessoas. Encontramos uma cidade com muita dificuldade. E na época, visitando as creches da cidade, observamos que os funcionários tinham capacidade de ensinar essas técnicas para a população. Não tinha nem máquina de costura. Mas fomos estruturando, comprando equipamentos e ampliando o programa que mudou tantas vidas”, recordou.

O vice-prefeito, Thiago Carreiro, lembrou a importância de capacitar a população. “É a transformação real de vidas. O município avançou muito com programas como esse. Vamos transformar novamente esta cidade”, declarou.

Já a secretária de Assistência Social da Serra, Lilian Mota, disse que a iniciativa vai mudar a realidade do município.

“Falar do Costurarte é falar de história. O programa é muito bonito e foi resgatado com justiça. Na época que funcionou pela primeira vez, a então secretária Sueli Vidigal identificou nas mulheres essa capacidade de gerar renda com a costura e a arte. Vamos agora levar o projeto para as comunidades”, afirmou.

Durante a solenidade de lançamento do Costurarte, Sonia dos Santos, de 59 anos e moradora de Campinho da Serra, foi homenageada. Ela fez o curso de pintura e costura em 2001.

“Tive a oportunidade de fazer os cursos e gostei muito. Com ele consegui aumentar a minha renda e hoje trabalho em casa. Até consigo ensinar algumas pessoas. Realmente valeu a pena e mudou minha história. Agradeço demais a Sueli e Sergio”, reconheceu Sônia.

Outra contemplada pelo programa foi a Dona Eugênia Passos. “Fiz um curso de costura que hoje é essencial na minha vida. Em 2011 abri o grupo Produtivo Serra Dourada. Cheguei a sustentar minha família com essa renda. Trabalhando e ensinando pintura e costura, consegui sobreviver. Sou muito grata ao Doutor Sergio e à Sueli”, reforçou Eugênia.

Késia dos Prazeres, presidente do Semearte, também falou sobre o poder de transformação dos cursos de transformação.

“Muito mais do que fazer artesanato, é a valorização de saber fazer. Parabéns Sueli por ajudar tanto no empoderamento feminino. A economia criativa do Espírito Santo nasceu na Serra. Sou mulher negra da periferia e tudo que sei fazer é com minhas mãos. Através desse projeto tivemos acesso ao conhecimento e aos insumos”, afirmou.