Pular para o conteúdo

Vacinação contra gripe está abaixo da meta na Região do Polo Têxtil

  • por

Imunização

Cidades não atingiram meta de 90% do público-alvo; campanha segue até o próximo dia 9 em todo o Estado

Por Maria Eduarda Gazzetta

03 jul 2021 às 08:37

A menos de uma semana para o fim da terceira e última etapa da campanha de vacinação contra a gripe, a cobertura vacinal na RPT (Região do Polo Têxtil) está abaixo da meta estabelecida, que é imunizar 90% do público-alvo, composto por crianças de seis meses a menos de seis anos, gestantes, puérperas, além de pessoas com comorbidades e deficiências, e algumas categorias de trabalho.

Em Santa Bárbara d’Oeste, a Vigilância Epidemiológica informou que foram aplicadas, até o momento, 30.053 doses, totalizando 42,3% de cobertura vacinal. Em Nova Odessa, até quinta, eram 9.305 doses aplicadas, representando 47,2% do público-alvo estimado na cidade.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

Em Hortolândia, 38.890 doses da vacina foram aplicadas nos grupos. A Secretaria de Saúde avalia o número como baixo, e afirma que um dos públicos-alvo com baixa vacinação é o de crianças e idosos, além de pessoas com comorbidades e deficiência.

A Vigilância Epidemiológica de Americana informou que desde o início da campanha, em abril, vacinou 39.970 pessoas e que não era possível informar o percentual da cobertura vacinal por problemas ocorridos no sistema.

O LIBERAL no seu e-mail: se inscreva na nossa newsletter

Entretanto, o município afirma avaliar que a cobertura está dentro do esperado na cidade. Questionada pelo LIBERAL desde a última quinta, a Prefeitura de Sumaré não respondeu.

Segundo o governo estadual, que convocou a população para se vacinar, os percentuais de todos os públicos estão abaixo de 62%, com exceção dos indígenas, totalmente vacinados.

A campanha teve início no dia 12 de abril e foi dividida em três fases. Nesta terceira e última etapa, que começou no dia 9 de junho e vai até o próximo dia 9, as doses estão disponíveis para pessoas com comorbidades e deficiência, caminhoneiros, trabalhadores portuários e de transporte coletivo, profissionais das Forças Armadas, de segurança e salvamento, funcionários do sistema prisional, presos e menores sob medidas socioeducativas.

A imunização dos públicos-alvo das duas etapas anteriores continua a ser feita normalmente nos postos de saúde dos municípios.