Pular para o conteúdo

Quem é Amoako Boafo, ganês que conquistou a Dior? – GQ

  • por

Amoako Boafo para Dior Homme (Foto: divulgação)

Em fevereiro deste ano, uma pintura do ganense Amoako Boafo foi arrematada na Phillips, em Londres, por US$ 881.432. O valor superou em mais de dez vezes a estimativa e em mais de 3.000% o que o vendedor pagou por ela menos de um ano antes. Pouco depois, em julho, a Dior Homme lançou a coleção Primavera/Verão 2021 sob o título Portrait Of An Artist com uma novidade: o diretor criativo Kim Jones trabalhou junto a Boafo para criar peças de masculinidade romântica nas quais as técnicas da alta costura se unem a detalhes em neon e malhas de cores acesas.

A escolha de Kim Jones e a valorização relâmpago dos trabalhos de Boafo têm motivos marcados pelo tempo e espaço. Até há pouco, o olhar eurocêntrico do mercado de arte resumia a África em pouquíssimos nomes. Em 2014, no entanto, o empresário Charles Saatchi voltou seus olhares para a região e investiu na mostra Pangaea: New Art from Africa and Latin America em Londres. Desde então, muitos artistas da África Ocidental começaram a pipocar em mostras importantes e leilões. Hoje, a especulação é tanta que mês passado a Christie’s promoveu uma venda só com artistas negros.

Amoako Boafo para Dior Homme (Foto: divulgação)

Amoako Boafo para Dior Homme (Foto: divulgação)

No dia 4 de dezembro de 2019, durante a Art Basel em Miami, Amoako Boafo, que mora em Viena, inaugurou o novo Rubell Museum ocupando uma sala inteira com seus hipnotizantes retratos em grande escala de personagens negros. Naquele mesmo dia, a feira abriu as portas com o stand da Mariane Ibrahim Gallery apresentando um show solo de Boafo com todas as peças já vendidas. No dia anterior, Kim Jones apresentou a coleção de outono da Dior em frente ao novo museu. Foi lá que Jones se deparou com o trabalho de Boafo: “Foi amor artístico à primeira vista”, revela o estilista. “A intensidade dos seus retratos, a paleta de cores muito contrastantes e o movimento – tudo me toca na forma como ele vê as coisas”, completa. O trabalho do artista impressiona pelas texturas e luminosidade, além da sofisticada técnica de pintar com os dedos deixando camadas espessas de tinta na tela e gestos marcados. “O mais interessante dessa parceria foi o desafio de transferir a minha técnica de pintura com os dedos para a roupa”, explica Boafo. “Amoako faz parte da segunda diáspora: um grupo de artistas africanos que migraram e estão ganhando espaço nos mercados europeu e americano”, explica o artista e curador Ayrson Heráclito. “Sua pintura tem um forte diálogo com a tradição do retrato africano, mas também com a pintura vienense: dizem que ele é a versão negra de Egon Schiele, artista preferido de Freud, por buscar retratar a psique humana e suas obsessões”, continua Heráclito.

Portrait Of An Artist é uma homenagem tanto ao trabalho de Boafo quanto à infância de Jones. “Cresci em uma família de globetrotters graças ao trabalho de meu pai como hidrogeólogo. Moramos em quatro países africanos: Botswana, Tanzânia, Etiópia e Quênia. Os imaginários desses lugares são fonte fundamental de inspiração para mim”, revela o estilista. “Gana era um dos países favoritos de meu pai e ele morreu há dois meses”, completa. É o destino trabalhando pelo bem da moda e da arte.

Arte e moda: um namoro que sempre deu certo

Confira outras marcas que se alinharam a artistas para criarem desejadas coleções – sempre cheias de signos e boas histórias

Arte e moda: um namoro que sempre deu certo (Foto: divulgação)

Arte e moda: um namoro que sempre deu certo (Foto: divulgação)

1. Daniel Arsham para Adidas: O escultor propõe uma arqueologia do futuro. O sneaker com “o passado” escrito na sola é item de colecionador.

2. Futura para Off White: Para o verão masculino 2020, Virgil Abloh convidou o “avô do grafite” para fazer intervenções em sua alfaiataria.

3. Jean-Michel Basquiat para Dr. Martens: Um par da linha limitada chegou a 43.5 milhões de libras na Christie’s.

4. AVAF para Marc Jacobs: Os personagens transsexuais psicodélicos do brasileiro Eli Sudbrack (AVAF) chegaram às estampas da marca em 2015.