Blog, Costura

Produção de máscaras aumenta de 10 para 200 por hora após máquina criada por alunos e professores da UFMT | Mato Grosso

Alunos e professores da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), campus de Sinop, na região norte do estado, estão produzindo máscaras descartáveis para doar às entidades do município. A ação é feita em parceria com o Rotary Clube e a União das Entidades de Sinop (Unesin).

Uma das máquinas para ajudar nesse trabalho foi desenvolvida pelos próprios alunos do projeto. O trabalho é intenso e cada um ajuda numa função.

A ideia de produzir máscaras começou no início da pandemia com algumas máquinas de costura comuns e por isso a quantidade fabricada era baixa, mas uma máquina criada por alunos e professores da UFMT mudou o ritmo da produção.

Máscaras são doadas — Foto: Divulgação

A estudante de ciências naturais, Ayla Rosa, é costureira e se tornou voluntária do projeto. “São tempos diferentes e precisamos usar a nossa profissão da melhor forma possível para ser mais útil possível. Então vi que neste momento o meu tempo fosse mais útil fazendo máscaras do que costurando outra coisa. É um tempo de solidariedade, um tempo de ajudar”, disse.

Máquina foi criada por estudantes e professores — Foto: Divulgação

Antes da máquina produzida na UFMT eram gastos 6 minutos para produzir uma máscara, ou seja, 10 máscaras por hora, e agora são confeccionadas 200 máscaras por hora.

As irmãs Semaryah e a Rayna Rosa, que são alunas do curso de eletromecânica, se juntaram aos professores e alunos da universidade para ajudar no desenvolvimento da máquina.

“Como eu e minha irmã sabíamos um pouco dessa parte técnica, de máquinas, e sobre costura, viemos para ajudá-los nesse desenvolvimento do trabalho”, disse Semaryah.

Depois de prontas, as máscaras são distribuídas pela Unesin e o Rotary.

Já foram entregues dez mil máscaras no início da pandemia e na última semana mais 5 mil, conforme conta o apoiador do projeto, Paulo Prates.