Blog

Prémio verde para a Tejidos Royo

[©Tejidos Royo]

A tecnologia, que foi desenvolvida com a Gaston Systems e a Indigo Mill Designs e com o apoio financeiro inicial da Wrangler e da Walmart, foi introduzida no mercado exclusivamente pela Tejidos Royo em 2018 e já este ano foi alargada, com a introdução do Dry Black, para o tingimento em preto de denim.

Através da utilização da Dry Indigo, que além de reduzir em 100% a utilização de água, permite ainda a utilização de menos 89% de químicos e menos 65% de energia, possibilitou à empresa espanhola economizar 4,7 milhões de litros de água, 9.696 toneladas de produtos químicos e 803 megawatts de eletricidade entre fevereiro de 2019 e fevereiro de 2020. Marcas como a Wrangler, Banana Republic e Gap estão já a usar a tecnologia em produtos de denim.

«Este prémio é um reconhecimento muito importante do trabalho e know-how de toda a equipa da Tejidos Royo, sem a qual isto não seria possível», afirma, em comunicado, a empresa fundada em 1903 em Valência. «Vamos continuar a trabalhar para e com o desenvolvimento sustentável no sector têxtil, demonstrando que já não é a indústria poluidora que foi no passado», acrescenta.

Sobre a Tejidos Royo, o júri, que foi presidido nesta categoria por Marcus Gover, CEO da especialista em sustentabilidade WRAP, revelou ter ficado «muito impressionado por este processo de tingimento altamente inovador, que fornece benefícios de sustentabilidade que estão claramente consubstanciados por provas. O desenvolvimento de um processo de tingimento para denim sem água tem o potencial de poupar grandes quantidades de água, energia e químicos. A empresa é uma pioneira neste aspeto e persuadiu os seus parceiros na cadeia de aprovisionamento a cooperar. O júri louvou o nível de inovação e o potencial para a replicação numa das indústrias mais poluentes do mundo».

José R. Royo Ballesteros [©Tejidos Royo]

«É uma tecnologia que vai mudar o mundo», admitiu José R. Royo Ballesteros, CEO da empresa, na videoconferência de divulgação dos vencedores nas diferentes categorias. «Estamos muito orgulhosos por estarmos a mudar a indústria têxtil», reconheceu.

Os European Business Awards for the Environment (EBAE) são uma iniciativa da Direção-Geral do Ambiente da Comissão Europeia que pretende reconhecer as empresas que combinam com sucesso competitividade e performance ambiental excecional.

A edição 2020/2021 dos prémios, que além da categoria de processo inclui também categorias dedicadas à gestão, produtos e serviços, cooperação com países em desenvolvimento e biodiversidade, recebeu 94 candidaturas de 16 países europeus.

Na apresentação dos vencedores, que aconteceu durante a Conferência de Economia Circular, Gilles Gantelet, diretor da Direção-Geral do Ambiente da Comissão Europeia, afirmou que «os vencedores dos EBAE provam, uma vez mais, que qualquer que seja o tamanho da empresa, e onde quer que esteja sediada, o crescimento económico e a proteção ambiental podem andar de mãos dadas. Estes negócios inovadores são o orgulho da Europa e são nossos aliados em transformar a União numa economia moderna, eficiente em termos de recursos e competitiva, onde não haverá emissões líquidas de gases com efeitos de estufa até 2050».