Pular para o conteúdo

Na última esperança os braços familiares de um Paraíso no alto da Colina – Rádio Fundação Marconi – Blog Ceará Máquinas



Procurando Máquinas de Costura com Qualidade, e Garantia?
Siga-nos no instagram!

Leia a seguir a reportagem literária escrita pelos acadêmicos de Jornalismo da UniSatc e funcionários da Rádio Marconi, Edi Carlos De Rezende e Karine Possamai Della. 


Foi a luz passando pelas frestas dos janelões vermelhos junto com os burburinhos que o fizeram acordar. Braz Ciseski, de já quase 8 anos, acordou cedo no domingo de manhã. Mas ele não era o único já se preparando para o dia do Senhor. Logo ao abrir os olhos, sua irmã já apressava ele e os outros quatro irmãos da família. Essa é uma das primeiras memórias que se lembra do Paraíso da Criança: sua irmã Teresinha dando banho em um dos tanques da lavanderia. Depois, a freira do abrigo o vestindo com o tradicional uniforme para as Santas Missas. Uma camisa branca passada e uma calça social xadrez vermelha. Após vestir as roupas, a freira ajeitava os seus sapatos pretos em seus pés.

Essa era a rotina de Braz e seus outros cinco irmãos, há sete anos no orfanato. A família Ciseski foi acolhida pelo padre Monsenhor Agenor Neves Marques após a mãe ser internada por depressão e o pai falecer. Braz chegou ao abrigo ainda com meses de idade e, desde então, passava os dias com os irmãos de sangue, assim como outros tantos irmãos do Paraíso. O domingo era um dos seus dias da semana favorito, não só dele, mas de todas as outras crianças. Nesse dia todos acordavam cedo para ouvir os ensinamentos de Monsenhor durante a missa, além de passar um tempo com o homem que consideravam como um verdadeiro pai.

Não muito longe dali, em um outro quarto, Teresinha Kamola Costa, a Kamola, ajudava os mais jovens a se vestirem também. Como já tinha concluído a 4ª série, Kamola passou a cuidar, junto com outras meninas e freiras, dos serviços da instituição, além de ajudar as crianças mais novas atendidas pelo Paraíso. Kamola também possui uma história um pouco parecida com a de Braz. Kamola chegou ao paraíso aos 8 anos, após a mãe falecer e o pai entregar as cinco filhas a outras pessoas. Kamola ficou aos cuidados da avó materna, que já era de idade e, por isso, conseguiu uma vaga para a neta no orfanato Paraíso da Criança, como era chamado em 1958.

Quando todos já estavam prontos, as Irmãs Beneditinas conduziam as quase 100 crianças em fila indiana até a Igreja Matriz, no Centro de Urussanga. O caminho não era longo, apenas 500 passos e todos já estavam se acomodando nos bancos de madeira. Algumas crianças ajudavam durante a celebração e, nesse dia, Braz estava servindo como coroinha. Apesar de estar empolgado para a missa, o jovem estava cansado. No dia anterior, ele e o seu irmão, de 9 anos, foram juntos com o padre na comunidade de Santana. Lá, os dois foram até o interior atrás de uma caminhonete. Enquanto Monsenhor celebrava a missa, Braz e seu irmão esperavam o rito terminar para que pudessem vender picolés. Mesmo tendo 7 e 9 anos, os irmãos tentavam, de alguma forma, ajudar na arrecadação de recursos que contribuíssem na continuação dos trabalhos do Paraíso. Naquele domingo de manhã cedo, Braz, o coroinha, cochilou durante a homilia.

A missa não demorou mais do que uma hora e meia para terminar. Após a celebração, todos fizeram novamente o trajeto até o abrigo, que ficava atrás da igreja, subindo o morro da rua da Criança. Chegando ao espaço, as meninas mais velhas, como a Kamola, preparavam-se para fazer o almoço de domingo. Além disso, as jovens já precisavam deixar todos os detalhes prontos para a segunda-feira, quando as aulas novamente iniciavam, já que, além das crianças do abrigo, a Escola do Paraíso também atendia alunos de toda Urussanga e região.

Só que o sentimento de viver no Paraíso da Criança era muito mais do que viver a mesma rotina com os acolhidos. Mesmo após quase três décadas, Braz e Kamola lembram e revivem todos os momentos que se recordam do abrigo. Kamola, já com 72 anos, viúva, com filhos e netos, ainda mora em uma casa que fica dentro do espaço do Paraíso. Há quatro décadas exerce um importante trabalho que aprendeu com o Monsenhor. “Uma das tarefas que o padre Agenor me deu, mesmo depois de eu ter deixado o Paraíso, era para tocar o sino da Igreja Matriz Nossa Senhora da Conceição. Tinha alguns homens mais velhos que tocavam o sino, eles foram envelhecendo e começaram a ensinar as meninas do Paraíso. Com o tempo, as jovens deixaram a instituição, foi quando o padre Agenor insistiu para eu assumir esse compromisso. Já faz mais de 40 anos que eu faço isso, tocar o sino da igreja”, lembra Kamola.

Kamola. Foto: Edi Carlos De Rezende

Braz e seus irmãos tinham uma relação muito mais do que órfãos acolhidos pelo Paraíso. “A gente tinha uma ligação afetiva, pois toda vez que a gente chorava por algo, nós corríamos para a casa paroquial. Lá o padre Agenor nos pegava no colo, nos abraçava e depois deixava a gente mais tranquilos. Até hoje eu lembro dele como um pai, presente na nossa vida, que dava amor e muito carinho para mim e para meus irmãos”, conta. Esse sentimento também era retribuído pelo Monsenhor. Durante as férias, todas as crianças passavam o período na casa de parentes e familiares. E a família Ciseski viveu isso na casa do pai do padre Agenor, o senhor Natalino. Todas as férias os cinco irmãos passavam os dias na casinha de madeira, na comunidade de Rancho dos Bugres.

Diferente de Kamola, Braz se mudou aos 9 anos para outro abrigo em Florianópolis. Depois de crescido, o jovem retornou a Urussanga e constituiu sua família, sempre lembrando dos momentos, alegres ou tristes, que viveu no Paraíso e junto com o Monsenhor. Kamola recorda momentos marcantes durante a vida no orfanato. Em datas comemorativas, na Páscoa, no Dia dos Pais e Dia das Mães e no Dia da Independência havia festinhas no Paraíso. Porém, essas festas não eram feitas nas datas de nascimento dos órfãos. “Uma coisa que eu lembro é que a gente, já adolescente, não sabia quando fazia aniversário. Não eram realizadas festinhas para comemorar. A gente ia crescendo, passando de ano, de dez pra onze, de onze pra doze, nós nem sabíamos quando era o aniversário. Eu fui saber quando fazia aniversário já com quatorze ou quinze anos”, afirma.

Kamola e Braz consideram, até hoje, o padre Agenor como a referência necessária para a vida deles e de suas famílias. Semelhante ao que contam os dois, houve mais de mil histórias de vida de crianças e adolescentes que passaram pelo Paraíso da Criança durante os anos de acolhimento, entre as décadas de 50 e 80. As histórias dos dois, assim como a de outras várias crianças, só foi possível por causa do senhor de Monsenhor Agenor Neves Marques, o homem que é um dos ícones de Urussanga por todos os trabalhos que desenvolveu para a região.

braz kamola neguinha2 Na última esperança os braços familiares de um Paraíso no alto da Colina - Rádio Fundação Marconi - Blog Ceará Máquinas
Braz, Kamola e a Teresinha, a “Neguinha”, como é conhecida. Foto: Edi Carlos De Rezende

O começo do Paraíso

“O Paraíso foi um sonho que se tornou realidade pelo trabalho de um batalhador incansável. Cada vez mais que anos se distanciam vejo em minha mente o padre como cada vez mais gigante”. Isso é o que pensa o historiador urussanguense, Sérgio Roberto Maestrelli, que foi aluno externo nos quatro anos de primário no Paraíso. “Todo dia, quando se aproxima das 18 horas, a hora da Ave Maria, em minha mente uma cena milhares de vezes repetidas: as crianças internas do Paraíso descendo em bloco para, juntamente com padre Agenor, às 18h30, rezar a Ave Maria em latim e com a benção do Santíssimo Sacramento e eu buscando brasas na Churrascaria Tropical para a queima do incenso”, recorda Maestrelli.

Mas a história do Paraíso da Criança se inicia muito antes, quando Agenor ainda era seminarista em São Leopoldo, antes dos anos 40. Rosa Miotello, que dividiu o microfone da Rádio Marconi durante muitos anos com o padre ao apresentar o programa Andorinha Mensageira, conta que o desejo de Monsenhor surgiu por conta de uma obra cinematográfica. “Os seminaristas foram assistir a um filme, era um filme francês. Nesse filme contava a história de um padre que tinha um orfanato, que trabalhava com as crianças, e ele ficou encantado com aquela história, daquele filme, daquele padre, com o acolhimento que ele tinha com as crianças, então ele sempre sonhou em ter algo assim”, relembra.

rosa miotello Na última esperança os braços familiares de um Paraíso no alto da Colina - Rádio Fundação Marconi - Blog Ceará Máquinas
Rosa Miotello. Foto: Karine Della

Monsenhor chegou em Urussanga no final dos anos 40 e as mudanças começaram a ser vistas em pouco tempo. O Paraíso da Criança foi criado após Agenor se deparar com um problema na cidade: a mineração. Boa parte das famílias urussanguenses dependiam dos trabalhos da mina. Lutando pelo objetivo de sustentar a própria casa, muitos pais e mães de família acabavam morrendo por conta do trabalho. Monsenhor começou a acolher os órfãos do interior de Urussanga no casarão no fim da rua da Criança. A instituição foi fundada em agosto de 1948 e, aos poucos, o Paraíso deixou de atender somente meninas e adolescentes, passando a atender meninos também. “Ele já tinha esse sonho de ter um orfanato e uma escola junto, então ali além de ter um internato para as adolescentes, que vinham de fora e que pagavam. Com esse dinheiro, o padre Agenor podia fazer manutenção da estrutura, criou uma escola maternal e um jardim de infância”, afirma Rosa.

20220701 111352 scaled Na última esperança os braços familiares de um Paraíso no alto da Colina - Rádio Fundação Marconi - Blog Ceará Máquinas
Fachada atual do Paraíso da Criança

Rosa conta que o local comportava muitas salas e que eram duas alas abertas com muitas camas, em cada espaço havia 40 camas para as crianças e adolescentes que eram órfãos. “Tinha outra parte com quartos para as meninas internas, estas que pagavam para estar ali e tinham aulas de música, bordado. Elas se abrigavam no Paraíso, mas estudavam em outra escola de Urussanga’’, recorda Rosa. Passados quase 74 anos de fundação, o Paraíso da Criança agora é um abrigo provisório para crianças e adolescentes que precisam estar afastados da família por decisão judicial ou por medida do Conselho Tutelar.

Para que houvesse a sequência dos atendimentos, o padre tentava todas as alternativas possíveis para o bem-estar dos acolhidos e a conservação da parte estrutural da casa. Rosa Miotello conta que o que era conseguido tinha efeitos positivos a todos. Por isso, o padre Agenor firmava convênios com o governo do estado e o paraíso para ter atendimentos médicos e odontológicos e enfermeiros à disposição das pessoas. Quem não tinha condições financeiras boas podia ir até o antigo Sesi que funcionava dentro das instalações do Paraíso. Todos eram atendidos.

braz kamola neguinha Na última esperança os braços familiares de um Paraíso no alto da Colina - Rádio Fundação Marconi - Blog Ceará Máquinas

Havia também os momentos de dificuldades e problemas por falta de mantimentos para no dia a dia alimentar todas as crianças. O padre Agenor e a diretora Irmã Faustina tinham muita fé e devoção a São José e não se intimidavam em meio às dificuldades. “Lembro que eles recorriam ao São José. E tinha uma situação que ocorria, quando faltava alguma coisa, a freira Faustina tinha o hábito de pôr o pedido junto à imagem de São José e com uma caneta nas mãos dele. Logo ela saia para fazer a oração e pedir a graça, ia na capela e rezava pedindo que não faltasse comida. Quando a caneta caía das mãos de São José, logo aparecia gente indo doar comida no paraíso, era a graça alcançada”, garante Rosa.

20220701 110401 scaled Na última esperança os braços familiares de um Paraíso no alto da Colina - Rádio Fundação Marconi - Blog Ceará Máquinas
Imagem do São José na entrada do Paraíso. Foto: Edi Carlos De Rezende

Para Maestrelli, o Paraíso da Criança era uma estrada carregada de pedras e espinhos que afloraram pelos caminhos, e mesmo assim seus mestres conseguiram conduzir mais de mil crianças para a vida adulta. “Hoje entro no Paraíso e observo aquele espaço vazio sendo contornado com garra e trabalho pela Kamola, Neguinha e outras, fico emocionado. Entro, vejo o vazio, mas em meus ouvidos a algazarra dos anos 60 ainda continua vibrando em minhas memórias, em meu ser. Crianças correndo pelo pátio, nos balanços, no pular corda. Era a vida em sua expressão e explosão máxima”, completa o historiador.

sergio maestrelli Na última esperança os braços familiares de um Paraíso no alto da Colina - Rádio Fundação Marconi - Blog Ceará Máquinas
Sérgio Maestrelli. Foto: Edi Carlos De Rezende

Sérgio Maestrelli, que guarda para a história os livros, as fotos e diversos itens utilizados pelo padre Agenor, conhecia muito bem o idealizador do Paraíso da Criança. Em uma oportunidade, no ano de 2001, Sérgio perguntou ao padre qual foi a maior graça recebida dos Céus. “E ele mais rápido que o raio que surge numa trovoada, quase se levantou da cadeira de rodas, em frente ao paraíso, e abrindo os braços disse: foi a de ter passado por esta construção aí atrás, mais de mil crianças e eu não ter feito o enterro de nenhuma delas. Nenhuma criança morreu no Paraíso! E ele desatou em um grande choro, e eu também”.

 

20220701 110818 scaled Na última esperança os braços familiares de um Paraíso no alto da Colina - Rádio Fundação Marconi - Blog Ceará Máquinas

Confira também:

Gemellaggio Urussanga e Longarone: a reaproximação dos povos irmãos

Fonte radiomarconi.net

Todos os direitos reservados a seus autores

Conteúdo indexado da Internet de postagem pública

Caso deseje a remoção, envie este link e a prova de autoria para nosso email para exclusão.

Falar com Atendente
1
Fale Conosco
Fale conosco!