Mes fazem histria em Lajeado

  • por

Vizinhos, os clubes Jardim do Cedro e Sempre Amigas, do Morro 25, somam conquistas e histrias com toda a comunidade lajeadense. O primeiro tem realizado feijoadas que formam lista de espera para compra dos cartes, e o segundo ficou eternizado aps confeccionar toda a decorao natalina da cidade reciclando garrafas PET, em 2005.
Esta matria a quarta da sequncia de homenagens prestadas pelo jornal O Informativo do Vale e por seus parceiros Sesc e Shopping Lajeado, por meio do projeto Mulheres que Transformam 2020. Diferente das outras edies, neste ano as empresas abrem espao para todas as mes da cidade, dando voz aos vinte clubes de mes.

Clube de Mes Sempre Amigas

O distanciamento social dos ltimos meses no abalou a amizade das integrantes do Clube de Mes Sempre Amigas, do Bairro Morro 25. Cada uma na sua casa, o grupo continua a produzir e, na medida do possvel, vender os artesanatos feitos. Fundado em 21 de maro de 2007, o grupo formado por 17 mulheres, de variadas idades.
A atual presidente do clube, Elisete Maria Mentz (69), j est h trs anos no comando do Sempre Amigas e se sente orgulhosa do trabalho realizado. “Quando comecei a participar, cinco anos atrs, no conhecia quase ningum. Hoje considero todas como verdadeiras amigas”, conta.
As reunies, que ocorrem nas tardes das quartas-feiras, costumam ser muito animadas e um momento muito esperado na semana. ” o dia em que podemos esquecer dos afazeres de casa, encontrar amigas, dar risada e deixar a semana mais leve”, diz a presidente. Entre tric, croch e patch work, est no esprito do grupo uma ajudar e ensinar a outra tudo aquilo que sabe.

Feijoada das mames

Uma tradio mantida j por seis edies, a feijoada do clube Sempre Amigas se tornou um sucesso no Bairro Morro 25 e arredores. Conforme Elisete, a comunidade toda comprou a ideia e, quando chegam os meses de feijoada, em junho e agosto, h fila de espera para a compra dos cartes. “As pessoas compram um pedindo quando ser o prximo”, relembra.
O prato tpico brasileiro a forma que o clube encontra para arrecadar fundos para manter ativo o trabalho ao longo do ano. “A maioria dos clubes realiza cafs e chs com buffet, mas ns no temos estrutura para isso. Ento, a feijoada foi uma ideia que veio para ficar”, comemora Elisete. Por vez, so preparados cerca de 20 quilos de feijo em gro que , claro, multiplicado ao se adicionar a gua, carne e temperos.
O lucro obtido da feijoada revertido na compra de materiais para a confeco do artesanato feito ao longo do ano. “Nas festas da comunidade e entre amigos, vendemos o que foi produzido para garantir que os encontros continuem sempre funcionando”, explica a presidente. Os laos de amizade entre as mulheres do clube se traduz no apoio mtuo e no abrao amigo. “Mal podemos esperar que essa pandemia passe logo, para que possamos voltar a nos encontrar.”

Clube de Mes Jardim do Cedro

Com 37 anos de histria, o Clube de Mes do Jardim do Cedro rene hoje cerca de 30 mulheres. Fundado em 15 de abril de 1983, o grupo j chegou a ter mais de 75 scias. Para a atual presidente, Louraci Rossner, os frutos gerados so resultado de muito trabalho em equipe, amizade e solidariedade.
Determinadas em ajudar famlias, escolas e a comunidade do bairro, as mes do clube costumam participar de numerosos eventos realizados por l. Uma vez por ano, realizam um caf colonial, feito para arrecadar fundos para o clube. O evento rene centenas de convidados. “Pessoas de diversos bairros vm prestigiar. um momento de integrao e muita alegria”, conta Louraci.
Alm do caf, tambm organizam um almoo anual cujo lucro fica todo para a Comunidade Catlica So Francisco de Assis, que cede seu espao para reunies, assembleias e eventos. ” uma forma de agradecer pelo apoio ao nosso clube.”

Iniciativa histrica

Qual o lajeadense que no lembra da decorao natalina feita toda com garrafas PET? Realizada em parceria com a Cmara de Dirigentes e Lojistas da cidade, o clube de mes do Jardim do Cedro foi quem encabeou o projeto que transformou o lixo em luxo, levando o nome e as imagens de Lajeado para todo o estado.
Conforme secretria do clube, Marlene Stein, o trabalho utilizou 24 mil garrafas PET, que foram trabalhadas uma a uma pelas mos das mes do clube. Em uma linha de produo incansvel, transformaram o material em 116 guirlandas para decorar os postes, 11 pinheiros de 3 metros de altura, trs pinheiros de 5 metros e outros dois de 2 metros. “Foi um trabalho de meses, que entrou para a histria.”
O trabalho dessas mulheres continua no ramo do artesanato mas, dessa vez, na confeco de panos de prato, almofadas e bonecas. J organizaram almoos para as escolas do bairro, para a festa do padroeiro da igreja e, claro, aes sociais pontuais. Conforme a tesoureira do clube, Vera Brando, a doao de retalhos de empresas do ramo de estofaria e costura so valiosas para a continuidade do trabalho. “J demos at curso para adolescentes do bairro. A amizade e o aprendizado que cultivamos dentro do clube nos motiva a continuar.”