Jornal T – “No MODTISSIMO aprende-se sustentabilidade”

  • por

A publicação norte-americana KultureHub esteve no MODTISSIMO 56 a registar as principais novidades da indústria portuguesa de têxteis e moda. Na Alfândega do Porto encontrou aquilo a que chama “uma feira sustentável”, onde se ensina que sustentabilidade e inovação são dois lados da mesma moeda.

“Inside Modtissimo: Portugal’s sustainable fashion and textile trade show”, é o título da reportagem publicada pela KultureHub, uma revista online, de origem nova-iorquina, que nos passados dias 23 e 24 de setembro esteve de visita ao Porto para acompanhar o MODTISSIMO. Para além de destacar os cuidados de segurança – “havia muito espaço para distanciamento social e toda a segurança exigível” – a publicação regista sobretudo um grande avanço em termos de produção responsável e inovação tecnológica.

“O Modtissimo é um bom lugar para aprender sobre sustentabilidade e para conhecer a oferta que existe em Portugal em termos de moda, têxteis e processos de fabrico”, afirma a KultureHub, dando como exemplo, o espaço Green Circle: “Logo à entrada, manequins com designs inovadores e uma estética fashionable davam as boas-vindas aos compradores”.

Mas para além dos fóruns de inovação e sustentabilidade, a publicação falou também com alguns expositores, destacando o trabalho da Tintex em criar aquilo a que chama “eco-sustainable”, da Cork-a-Tex, pelo fio de cortiça e de marcas como Marita Moreno e Sensify, pela aposta em soluções com menor desperdício e impacto ambiental.

Por último, a KultureHub não deixa de destacar a estética de alguns dos principais criadores de moda nacionais. “Katty Xiomara, Luís Buchinho e Miguel Vieira são exemplo da alta-costura produzida em Portugal”.