Blog

Festas frugais já deixam indústria de pé atrás para primeiro trimestre

Risco pandémico, semiconfinamento e receio da crise que ainda deverá aprofundar-se têm mantido os portugueses longe das lojas e a perspetiva de não se juntarem as famílias no Natal está a penalizar ainda mais o consumo. Sem encontros, reduz-se ao mínimo a troca de presentes. E se o retalho vende uma fração do que é habitual nesta época, as encomendas à indústria ressentem-se.

Um estudo divulgado pela CIP revela que, no que respeita às encomendas em carteira a 1 de novembro, face ao mesmo período de 2019, há uma diminuição generalizada, sendo que, em média, as encomendas recuaram 40%. Não há detalhe por setores, mas se roupa e sapatos são muitas vezes presentes escolhidos, neste ano estes dois setores estão a sentir na pele a retração do consumo com quebras significativas de encomendas.

Mário Jorge Machado, presidente da ATP (Associação Têxtil e Vestuário de Portugal), conta que as exportações do setor têxtil e vestuário “começaram a cair em fevereiro, com os primeiros efeitos da disrupção da cadeia de abastecimento, sendo que em abril se registou a pior quebra de sempre. A partir daí, foi-se registando uma recuperação lenta, tendo em setembro, voltado o declínio, com uma quebra de 7% (evoluções homólogas)”.

A partir de outubro, coincidindo com o apertar das medidas de combate à pandemia à escala europeia, o cenário piorou. “No mais recente inquérito que fizemos às empresas associadas 30% referiram esperar uma redução do volume de negócios de 25% a 50%, enquanto uma fatia semelhante espera que este tenha uma redução entre 10% e 25% no último trimestre do ano”, face ao mesmo período de 2019. E as restrições ao turismo revela-se, segundo o responsável, uma das principais dificuldades, com a queda a pique da procura internacional a significar “cancelamento de encomendas, adiamentos e /ou volume inferior de encomendas colocadas”. E para piorar as coisas, há ainda empresas que estão a ter “dificuldades de cobrança a clientes”.

O arranque de 2021 não deverá ser muito diferente daquilo a que assistimos agora, inviabilizando a possibilidade de construir uma almofada para enfrentar com maior suavidade os meses seguintes. E os apoios públicos não chegam a todos. O líder da associação do têxtil não esconde que as firmas dão conta de “enormes dificuldades”, tanto ao nível de tesouraria como no acesso a financiamento, e pede apoios a fundo perdido, redução da carga fiscal, simplificação e celeridade das linhas de crédito para salvar a indústria.

No calçado, os efeitos da pandemia também se sentem. O segundo trimestre foi negativo, estando agora a verificar-se alguma recuperação face a esse período. Mas Paulo Gonçalves, da APICCAPS, associação do setor, nota que as estimativas mais recentes para o consumo mundial de sapatos apontam para um recuo de 22% neste ano. Sendo que na Europa, onde estão os principais mercados de destinos dos sapatos portugueses, a quebra prevista é mais acentuada: 27,5%.