Estampa étnica vira roupa fofa para criança pelas mãos de Anna Maria – Consumo

  • por

Anna Maria com um dos modelinhos que saem do seu ateliê. (Foto: Arquivo Pessoal)

Que a maternidade transforma mães em empreendedoras, isso é fato. Bastou um filho nascer para a mãe se reinventar e conciliar trabalho e cuidados. E é na sala de casa, que Anna Maria de Menezes Rodrigues resolveu fazer da costura seu negócio para ficar mais perto das filhas Isabelle e Elisabeth. O resultado são peças fofas, que carregam muito do que a mãe acredita.

As estampas étnicas são a paixão de Anna Maria desde a infância. Hoje, aos 29 anos, ela costura o que aprendeu com a madrasta e uma tia. Alguns dos moldes é ela quem cria, outros, são de outras artesãs.

Isabelle, a caçulinha de 2 anos, quem motivou a mãe a transformar a sala de casa em lugar de costura. Ah, claro, ela exibe o carro-chefe do ateliê: o macaquinho. (Foto: Arquivo Pessoal)
Isabelle, a caçulinha de 2 anos, quem motivou a mãe a transformar a sala de casa em lugar de costura. Ah, claro, ela exibe o carro-chefe do ateliê: o macaquinho. (Foto: Arquivo Pessoal)

“O ateliê começou a partir da minha paixão pela costura desde pequena. Realmente resolvi investir depois que a bebê nasceu, eu queria poder fica com ela, mas também precisava trabalhar, assim comecei as primeiras peças”, conta.

O início tem como data agosto do ano passado, e as primeiras clientes, eram todas conhecidas, até que Anna Maria passou a expor as peças do ateliê em feiras. A escolha das estampas se dá pela originalidade que a artesã gosta de imprimir no trabalho. “Acredito que assim como eu, muitas mães gostam da cultura afro, das cores, da vida por trás deste tema. Tento fazer função África – Brasil”, descreve.

Unir ideias vai além da beleza estética. Para Anna Maria, é importante trazer o tema para o cotidiano. “Quanto mais crianças e adultos ouvirem sobre as nossas origens, acredito que isso ajude a diminuir o preconceito”.

Os tecidos são todos 100% algodão e o próximo passo é encontrar um fornecedor de tecidos africanos legítimos. As peças são feitas sob encomenda, o carro-chefe é o macaquinho, e os tamanhos vão de 0 a 6 anos. O contato com Anna Maria pode ser feito pelo Instagram.

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: [email protected] ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Abaixo, alguns dos modelinhos que o ateliê já fez: