Dra. Ana Bretas quer ser uma voz ativa das mulheres na Câmara de Jundiaí

  • por

As mulheres representam 52% do eleitorado, porém representam apenas 11% dos candidatos eleitos no Legislativo. Na atual legislatura da Câmara de Jundiaí, todas as 19 cadeiras foram ocupados por homens, nos últimos quatro anos.

A advogada Ana Bretas aceitou o desafio de se candidatar a uma vaga do Legislativo de Jundiaí pelo PSDB para contribuir para a construção de um bem comum, do desenvolvimento da cidade, da superação das desigualdades e de ser uma voz ativa das mulheres na política jundiaiense.

A palavra dela como uma possível vereadora é Atitude! Trabalhando na área do direito, principalmente, buscando recursos da iniciativa privada e encaminhando-o para a filantropia, Ana Bretas tem experiência o suficiente para realizar um trabalho na área de assistência social permanente e contínua, com caráter preventivo e protetivo.

Ana Bretas é advogada. (Foto: Divulgação)

“Precisamos ter em mente que o assistencialismo ‘tapa buraco’ não resolve o problema, é apenas temporário”, alerta.

Ana Bretas acredita que se por meio do direito, que é sua especialidade, já consegue ajudar tanto a população, como vereadora da cidade ela pode muito mais.

“Temos a autonomia e a possibilidade de gerar renda para a família, através de oficinas e cursos de pintura, manicure, pedicure, costura, panificação, computação, dentre outros profissionalizantes”, destaca em uma de suas propostas.

Ela também destaca a missão continua na inclusão de deficientes junto a sociedade, promovendo condições de igualdade e exercícios de direitos fundamentais, conforme a Lei 13.146/2015.

Como conhecedora de leis, ela destaca também o artigo 36: Habilitação e Reabilitação profissional. “O poder público deve implementar serviços completos de habilitação e reabilitação profissional para que a pessoa com deficiência possa ingressar, continuar ou retornar ao campo de trabalho”.

É unindo o seu conhecimento profissional e o espírito de perseverança e determinação da família de imigrantes italianos – valores que ela considera tão genuínos das mulheres – é que ela encara esse desafio com muita satisfação. “Vamos, juntas?”, convida.