Com atraso, Leite anuncia internet gratuita para alunos e professores da rede estadual

  • por

Governo estima que a internet gratuita beneficie 820 mil alunos e mais de 60 mil professores das escolas estaduais. Foto: Gustavo Mansur/Palácio Piratini

Da Redação

Quase três meses depois de anunciar a criação do Google Sala de Aula, ambiente virtual no qual todas as escolas do Estado têm suas turmas reproduzidas para enviar o conteúdo didático, o governador Eduardo Leite (PSDB) divulgou, nesta quinta-feira (27), que a internet patrocinada está finalmente disponível para alunos e educadores da rede pública de ensino. A ação tem o objetivo de beneficiar 820 mil alunos e mais de 60 mil professores das escolas estaduais no modelo remoto de ensino. O investimento é estimado em R$ 8,5 milhões, sendo R$ 3,1 milhões do governo do Estado e R$ 5,4 milhões da Assembleia Legislativa. A oferta da internet ocorre por meio de um chamamento público de cadastramento das operadoras Oi, Vivo, Tim e Claro, com cobertura de 97% da telefonia móvel do Rio Grande do Sul. O governo remunerará as operadoras pelo uso de dados voltado ao ensino.

“Não nos resignamos em deixar nossos alunos sem ter aulas, portanto, trabalhamos na lógica de aulas remotas, conteúdo transmitido e sendo repassado pelos professores pelo Google Classroom. O movimento exigiu uma costura de tecnologia e também financeira, assegurando às famílias e aos professores o suporte digital”, explicou o governador, durante transmissão por rede social. Segundo o governo, o plano de internet poderá ser utilizado exclusivamente para conteúdos educacionais, e permitirá que os alunos acessem as plataformas de aula do Google e recursos multimídia, como vídeos, áudios, textos e webconferências.

Durante o anúncio, o secretário da Educação, Faisal Karam, disse que a disponibilidade da internet beneficiará os estudantes que mais necessitam, assim como também os professores, que até então usavam seus próprios dados para elaborar as aulas e fazer com que o conteúdo chegasse até os alunos. “A disponibilização da internet patrocinada para estudantes e professores da rede consolida o processo de implantação das Aulas Remotas. Esta ação visa oferecer condições de acesso aos que mais precisam para que possam trabalhar conteúdos pedagógicos por meio da plataforma Google Sala de Aula”, afirmou Faisal.

O acesso à internet subsidiada pelo governo estadual ocorre por meio do aplicativo Escola RS Estudante. Todavia, o que deve ser a solução, também esbarra em algumas dificuldades. Há cerca de um mês, Bruna Ruiz dos Santos, diretora da Escola Estadual de Ensino Fundamental Onofre Pires, localizada na Lomba do Pinheiro, em Porto Alegre, disse ao Sul21 que os telefones celulares dos alunos ou dos familiares costumam ser aparelhos simples, com pouca memória para baixar e rodar mais um aplicativo. E há ainda a necessidade de acessar inserindo o CPF, o que também causa outras complicações. Os 320 alunos da escola iniciaram os primeiros contatos com o novo sistema no final de julho, ainda em fase de testes. Na ocasião, a falta de acesso à internet e de equipamentos apropriados dificultava a experiência.

“A gente esbarra em mil fatores. Tenho dificuldade com os professores e com a comunidade escolar, dificuldades com quem não tem computador ou não sabe como fazer. Toda semana tem um professor que mandou o computador para arrumar…”, explicou Bruna. Naqueles primeiros dias da nova plataforma, dos 320 alunos, apenas pouco mais de 10 estavam usando o sistema. Dos 820 mil da rede pública estadual, o secretário Faisal disse hoje que cerca de 23 mil estão usando a plataforma. Agora com a internet gratuita, a expectativa é que a situação melhore.