Pular para o conteúdo

Coelima: A têxtil que era grande de mais para cair | Reportagem

  • por

Noventa e nove anos de vida, divididos por uns 70 de alegria e uns 30 de agonia. Este poderia ter sido o epitáfio da quase centenária Coelima, a empresa modelo de têxteis-lar de Pevidém (Guimarães) que esta semana escapou de novo à sepultura. Por três vezes enfrentou a ameaça de extinção (1991, 2011 e 2021) e por três vezes se salvou in extremis. Sempre que escapou à morte, acabou pior do que estava. Como um lençol que, de remendo em remendo, fica sem mais remendo possível. A última salvação está encaminhada, mas ainda não se percebeu como vai ficar. Depois do auxílio político em 1991, da solução bancária de 2011, chegou a vez da ajuda industrial?