Cambulo fomenta auto-sustento de familiares de ex-militares | Sociedade | Jornal de Angola

  • por

Sociedade

Armando Sapalo | N’zagi

Com a conclusão do curso de corte e costura, no passado mês de Agosto, para dezenas de esposas e filhas de ex-militares residentes no município do Cambulo, província da Lunda-Norte, o processo de auto-sustento e reintegração social ganhou um novo impulso.

Fotografia: Benjamim Cândido| Edições Novembro

Promovido pela administração municipal, no âmbito do Programa de Desenvolvimento Local e Combate à Pobreza, as mulheres com idades compreendidas entre os 16 e 57 anos, que no final do curso receberam um kit completo para empreenderem, consideram estar diante de uma oportunidade a não desperdiçar.

Entre domésticas e desempregadas, as recém-formadas destacam a importância do projecto e reconhecem que os meios recebidos servem de base para o arranque da actividade socio-profissional.
Moradora no bairro Chico Guerreiro, na vila do N’zagi, no Cambulo, Fátima Cuzunga, 46 anos, esposa de um ex-militar, é uma das beneficiárias. Sem rodeios, lamentou que a falta de emprego para assegurar o sustento, formação académica e outras necessidades dos filhos fazem parte das principais dificuldades que enfrenta e manifestou confiança no futuro. Fátima Cuzunga considerou a iniciativa louvável e um ponto de partida para criar um pequeno negócio.

“Esta sensibilidade da administração municipal demonstra preocupação em resolver os problemas dos ex-militares. Com a formação e o material que recebi, tenho condições para criar a minha fonte de sustento”, disse.
Fátima Cuzunga realçou o exemplo de ex-militares que receberam kits das “mãos” do Governo e conseguiram montar pequenas empresas. Foi há seis anos e até hoje o negócio perdura para alguns.
“Sou doméstica e faço alguns negócios à porta da minha casa. Com esta formação e o kit de corte e costura que recebi, vou trabalhar em casa e aumentar a renda para minha família”, salientou.

Teresa Cateta, 23 anos, também beneficiou da formação. A jovem diz não ter memórias de oportunidades do género destinadas às mulheres do município. Filha de um ex-militar, revelou ao Jornal de Angola que a formação em corte e costura é a realização de sonho de criança. Teresa Cateta, moradora no centro urbano do N’zagi, anseia terminar o ensino médio e dentro de dois anos ingressar no ensino superior. Enquanto isso, desenvolve as bases para abertura do próprio negócio e outras condições que lhe podem dar algum desafogo financeiro.
“Não fazia nada senão ir à escola. Com esta formação e os meios que recebi vou trabalhar para ajudar os meus irmãos e terminar os estudos”, afirmou.

Promoção do auto-emprego

A administradora municipal do Cambulo garantiu que o Programa de Desenvolvimento Local e Combate à Pobreza vai continuar com outras acções ligadas ao empreendedorismo. O objectivo, segundo Domingas Martins, é promover o auto-emprego no seio, fundamentalmente, dos familiares directos dos desmobilizados.

“As autoridades do Cambulo pretendem, com estas iniciativas de montagem de pequenas empresas geradoras de rendimentos familiares, que se criem também alternativas e a expansão de prestação de serviços nas comu- nidades”, disse.
Domingas Martins garantiu que a medida que as senhoras vão sendo formadas e capacitadas, com técnicas de domínio dos respectivos ofícios e métodos de gestão dos pequenos negócios, terão também direito a instrumentos de trabalho para a implementação dos projectos.

“A intenção é que num futuro breve o projecto evolua para a constituição de grupos organizados em cooperativas e associações integradas por esposas, filhas, viúvas e órfãos dos desmobilizados do município

do Cambulo”, explicou.
Domingas Martins garantiu que o combate à pobreza tem permitido elaborar projectos e dar oportunidade visando a integração social dos familiares de ex-militares e de outras camadas sociais.

Novas opções e programas

A crise financeira que o país atravessa deve ser aproveitada pelas autoridades para se encontrar outras opções e perspectivar novos programas que permitam manter a base económica e social das famílias, considerou a administradora municipal do Cambulo.
Domingas Martins referiu que, no quadro do Programa Integrado de Desenvolvimento Local e Combate à Pobreza, as acções prioritárias estabelecidas pela administração que dirige, para o presente e o próximo exercício económico, estão consubstanciadas na apos-ta aos sectores da agricultura, pecuária, comércio rural e indústria.

Apesar de o Cambulo ser um município essencialmente diamantífero, Domingas Martins disse existir potencialidades que devem ser exploradas, mas, entretanto, carecem de investidores. “Os resultados da aposta na agricultura são visíveis a julgar pelos níveis de produção e o número de famílias envolvidas no processo produtivo”, disse Domingas Martins, salientado que o município possui terrenos férteis para o cultivo de produtos como o arroz, mandioca, feijão, entre outros.

Mudança de paradigma

Com um histórico na produção de arroz em grande escala, até finais da década de 80 as grandes quantidades de colheita deste produto constituíam motivo de orgulho dos habitantes, onde o destaque recaia para comuna do Canzar.
“A produção de arroz carece de investimentos para a sua revitalização. Paulatinamente, deve ser envidado esforço com vista a mudança do paradigma e maus hábitos do passado”, disse Domingas Zeferino.

A administradora municipal considera que, diferente do passado, não se pode monopolizar a actividade agro-pecuária à favor das empresas, sendo necessário dar oportunidade aos habitantes. Neste contexto, informou que a administração desenvolve projectos que visam despertar valências e o vigor dos habitantes, de modo a criar oportunidades para a redução da pobreza no seio das famílias.
“A integração social e profissional dos ex-militares e respectivas famílias é um processo vital e de extrema importância para o Governo”, disse.
Por outro lado, atendendo o aumento de jovens com formação académica e profissional, Domingas Zeferino apontou a criação de postos de trabalho como outra das apostas.

Reforço da reintegração social

Dados fornecidos ao Jornal de Angola pelas autoridades locais, indicam que, em 2014, centenas de desmobilizados receberam do Instituto de Reintegração Social dos Ex-militares (IRSEM) meios destinados a construção civil, mecânica, comércio e agricultura, no quadro do programa de reforço da reintegração social.
O projecto que, à época, beneficiou perto de 650 antigos militares, numa primeira fase contemplou 127, dos quais 53 beneficiaram de equipamentos para a actividade comercial, 27, para mecânica, enquanto os restantes receberam meios para agricultura e pecuária.
O município do Cambulo, localizado a Norte da província da Lunda-Norte, é composto pelas comunas de Canzar Cachimo e Luia, e a população depende essencialmente da agricultura de subsistência, que é praticada com recurso a enxada e outros instrumentos rudimentares.