Pular para o conteúdo

“As pessoas tem aderido ao Mercado do Lago em Estremoz e tem sido uma experiência gratificante” diz Antónia Pimenta, Artesã participante(c/som e fotos)

  • por

 “As pessoas tem aderido ao Mercado do Lago em Estremoz e tem sido uma experiência gratificante” diz Antónia Pimenta, Artesão participante(c/som e fotos)

Decorre hoje, no Jardim Municipal de Estremoz, o Mercado do Lago.

Esta é a sua 10.ª edição e decorre no Jardim Municipal, das 10:00 às 22:00 horas.

Numa organização da Câmara Municipal de Estremoz, a iniciativa tem como objetivo dinamizar a zona envolvente ao Lago do Gadanha, através da realização de um Mercado de Artesanato Urbano, onde estará patente a originalidade e a criatividade dos artesãos, criadores de peças alternativas ao artesanato tradicional.

A Rádio Campanário esteve presente e falou com Antónia Pimenta, uma das expositoras presentes no evento com trabalhos de costura e bordados, e que nele participa pela primeira vez.

À nossa reportagem, Antónia Pimenta referiu “que o evento tem estado a decorrer de forma normal, mas que não tem havido muita gente “sublinhando que os expositores “têm tomado as devidas precauções cumprindo as medidas sanitárias impostas”.

Esta participante salienta ainda que dadas as condicionantes existentes, por força da pandemia “o evento está a correr bem” sendo da opinião que “não se deve parar e que há que ir avançando porque, no meu caso, eu e o meu marido vivemos disto e temos que continuar a viver, pois temos despesas para pagar ao fim do mês.”

Antónia Pimenta é de Nossa Senhora de Machede e trabalha a arte da costura e dos bordados desde os seus 15 anos, começando por ser um hobby e transformando-se depois em profissional. Questionada sobre como foi viver o período de confinamento adiantou “fui trabalhando e fazendo trabalhos que tinha encomendados”, mas referiu não se ter rendido às novas tecnologias, não enveredando pela área das vendas on line porque, conforme nos referiu “gosto de estar com as pessoas e de mostrar o meu trabalho.”

Esta artesã referiu ainda “que há pessoas que gostam deste tipo de trabalho, do seu valor, de um trabalho e de peças personalizadas” realçando que estes “são trabalhos que saem dispendiosos e que nem sempre está ao alcance do bolso de todos, o que os leva a comprar outras peças produzidas de forma industrial.”

Ainda assim, antónia Pimenta realça “que estas peças duram uma vida ” não deixando de sublinhar que faz este trabalho “ por gosto, pelo prazer que tenho em criar uma peça nova e de fazer coisas diferentes.”

António Santos, de Vila Viçosa é outro dos artesãos a marcar presença nesta iniciativa. Referiu à nossa reportagem que “esta é a sua terceira arte: a primeira foi a construção civil, função que desempenhou durante 47 anos, a segunda foi a pintura onde ganhou vários prémios, e a 3ª arte é a cortiça.”

É participante assíduo deste evento e sobre o fato de ter três artes refere que é a sua veia artística e que “não se encontra muita gente assim.”

António santos contou-nos ainda que “quando era construtor civil já pintava e aos 20 anos fiz uma escultura de um santo, a quem pus o nome de santo trabalho e um calvário de Jerusalém , com 500 figuras.

Este artesão refere com toda a convicção de que, apesar de ser de Vila Viçosa, “90% dos calipolenses não sabe que eu faço trabalhos em cortiça.

Sobre a mais recente arte(cortiça), António santos diz que a mesma tem sido um sucesso, especialmente em Estremoz, Monsaraz, Elvas, Monforte, cujo seu trabalho tem sido muito acarinhado por estes municípios.

O programa do Mercado do Lago inclui um espetáculo onde a dança e as acrobacias aéreas estarão de “mãos dadas”. A atuação “Ohanna”, uma ideia concebida e encenada por Inês Claro, acontece às 21:30 horas.

Tendo em conta a data e o período de realização, o Mercado do Lago funcionará ainda como um complemento ao mercado tradicional e à feira de antiguidades que decorrem no sábado de manhã, no Rossio Marquês de Pombal.