A cidade e a roça

A
cidade é uma invenção humana que surge 7 mil anos antes de Cristo quando as
tribos de sapiens deixam de ser nômades e catadores-coletores para serem
sedentários e domesticar animais e plantas. O adensamento humano nas cidades
proporcionou trocas de ideias e colaboração fazendo com que as descobertas e as
invenções acelerassem. Antes das cidades, entre 50 mil anos ac e 7 mil anos ac
a humanidade já conhecia  o barco, a
mineração, o arco e flexa, agulha e costura, e a cerâmica.

Com as cidades vieram a agricultura, a corda, a metalurgia, a confecção de cestos, a domesticação de animais e a irrigação. Na sequencia em dois mil anos mais a humanidade inventou o alfabeto, as velas, o arqueduto, a moeda, a régua, o papel, o tear, o arado, sabão, reservatórios, cimento, o pente, o pão, a escrita, a seda, pavimentação de vias, barco a vela, o forno e a roda.

Todos moramos em cidades. Sejam elas metrópoles de mais de um milhão de habitantes ou sejam vilas e distritos rurais com poucas centenas de moradores. Em todas as cidades precisamos de serviços públicos como energia elétrica, água potável, tratamento de esgotos, coleta e tratamento de resíduos sólidos, conecção de internet, precisamos de um comercio local , um campo de futebol e de uma igreja.

O Espirito Santo possui 78 municípios, 256 distritos e 4800 vilas rurais. Na região metropolitana da Grande Vitória moram 1,69 milhão de pessoas espalhadas em centenas de bairros com características sócio econômicas e territoriais próprias. A economia agrícola é predominante em todo o estado menos em 14 municípios.

A demanda por uma cidade que funcione bem une os capixabas da roça e da cidade. De Pedra Menina no Caparaó até a Praia do Canto; de Braço do Rio em Conceição da Barra até Jardim Camburi.

Em novembro teremos eleições municipais. Vamos escolher prefeitos e vereadores para cuidar das nossas cidades. Penso que são eleições mais importantes do que a eleição nacional. Elas vão acontecer em meio a maior crise da historia. Crise sanitária, econômica e politica.

Penso ser uma grande oportunidade.

Luiz Paulo Vellozo Lucas
Economista