46,1% das indústrias do RN pararam durante pandemia, aponta sondagem industrial

Sondagem sobre o Impacto da covid-19’, elaborada pelo Sistema Fiern, mostra que 46,1% das indústrias do Rio Grande do Norte pararam as atividades durante a pandemia do novo coronavírus. Destas, 22,7% parou mais da metade das operações e 22,7% parou 50%. Pela pesquisa, 54% das empresas do ramo industrial não pararam, continuaram funcionando normalmente. Dos que pararam mais de 50% das operações, a razão aponta foi a queda nas vendas, com destaque para os segmentos de Confecções, Água Mineral, Panificação e Movelaria em Natal, Mossoró e Parnamirim. Essa é a 2ª edição da pesquisa.

Na comparação com a primeira sondagem, entre os dias 14 e 15 de abril, logo no início da pandemia, a pesquisa atual mostra que o percentual de empresas que não paralisaram as atividades cresceu de 47% para 54%, na segunda.  

A sondagem aponta ainda que 70% das indústrias tiveram problemas com suprimento de fornecedores. E, em relação ao faturamento no período, 37% apresentaram queda de mais de 50% (destaque para Confecções, Marmoraria, Têxtil). Na primeira pesquisa, feita em abril com 139 indústrias, 78% relataram dificuldade com suprimentos. 

Foram pesquisadas 141 indústrias instaladas em 28 municípios, no período de 4 a 12 de agosto deste ano. Mais de 30 setores industriais foram consultados. Mediante aos prejuízos, 66% não sabem quanto tempo a empresa vai levar para voltar ao patamar registrado antes da pandemia afetar o Rio Grande do Norte e 12% estimam um prazo de até quatro meses para esta recuperação; neste grupo, destaque para os segmentos de Panificação, Água Mineral, Marmoraria e Metalurgia no Estado.

Entre os ajustes necessários à manutenção das atividades, do total de empresas ouvidas, 40% fizeram renegociação de contrato de trabalho e 50% informaram que não demitiram, enquanto 15% demitiram mais de 50% do quadro. Na contramão, 7% registraram aumento na contratação.